Páginas

23 de jan de 2013

Nunca Mais Repita Que Vai Tocar Em Minha Casa

Inaugurando uma nova categoria na Melancia hoje: Contos!
Esse conto eu encontrei num blog de lendas urbanas, o Sobrenatural.org.
No conto, a pessoa que postou preferiu não dizer o nome da cidade, mas deve ser do sul.
Bem, sem mais delongas... aqui está o conto:

25 de dez de 2012

Natal de Papel

Quem nunca ouviu falar em origami, levante a mão! (Ok, agora podem abaixar, pois isso aqui não é ao vivo...). Pra quem Levantou a mão, origami é o nome dado a animais e outras coisas feitas de dobraduras com papel. Não usa cola, nem tesoura, só papel e dobras nele.

Para comemorar o natal, hoje (primeira postagem desde que retornei à Melancia), trago a vocês um Papercraft!! ^-^ (Papercraft é um tipo de origami, só que mais simples. Esse é pra ser recortado e colado, o que facilita sua montagem. ) E o papercraft de hoje é especial: Jesus Cristo de Papel =D

Baixem, montem, e aproveitem ^-^

 
Download

22 de dez de 2012

A Melancia está de Volta!!

Em breve, a Melancia estará "reaberta" para vocês saborearem essa água de entretenimento/cultura (in)útil. Logo mais teremos: novos posts, novas bandas, novas curiosidades, novos shows, concursos (não, não é concurso público, não...), jogos, programas, a pia da cozinha, o diabaquatro, poeira marinha e o escambau! Não Percam!!

Vocês não perdem por esperar (quer dizer, perdem tempo, mas o tempo é relativo, o que quer dizer que só perdem se tiverem algo melhor pra fazer, mas...)

28 de out de 2011

Dia Internacional da Animação - SESC Bauru


11 de out de 2011

Cedo Demais... 15 Anos Atrás, Perdemos Renato Russo ='(

Galera, eu sou um grande fã da Legião e do Renato, então o dia de hoje para mim foi uma choradeira só. Mal consegui escrever, então peguei essa matéria na Carta Capital. Me desculpem o Ctrl+C-Ctrl+V, mas hoje está difícil de sair algo.


“Um belo dia, o público vai descobrir que o seu ídolo tem pés de barro, e é uma coisa muito dolorosa porque messias não existem” (Renato Russo)
Ele foi o último ídolo do rock brasileiro. Depois dele, não veio mais ninguém. E, arrisco dizer, nunca mais virá. Por Luiz Felipe Carneiro. Foto: Agência Brasil

Parece que foi ontem, e talvez tenha sido mesmo, que Renato Russo morreu. Mas lá se vão 15 anos. O que, sob um ponto de vista, pode parecer uma eternidade.
Eternidade porque Renato Russo foi o último ídolo do rock brasileiro. Depois dele, não veio mais ninguém. E, arrisco dizer, nunca mais virá, até mesmo porque o rock brasileiro não fabrica mais nada de minimamente razoável já faz tempo.
Às vezes eu me pergunto o que fez de Renato Russo um ídolo.
Encontro a resposta facilmente em seus álbuns, especialmente nos da Legião Urbana.
Um dos primeiros LPs que Renato Russo ganhou foi o “White Album”, dos Beatles, quando ele morava em Nova York e tinha nove anos de idade. E isso explica muita coisa. A influência do tal disco branco, de certa forma conceitual, pode ser ouvida em qualquer trabalho da Legião. Ao invés de um amontoado de faixas, cada álbum da Legião Urbana era um “Álbum”, daqueles com início, meio e fim. Impossível de ser entendido sem a cuidadosa audição da primeira à última faixa. Eu fico imaginando os intermináveis exercícios de Renato Russo, Dado Villa-Lobos, Marcelo Bonfá e Renato Rocha (esse último até o terceiro disco, “Que país é este”) para chegar à relação final das faixas. E imagino o quanto Renato Russo não ficou louco, onde quer que estivesse, quando, recentemente, relançaram os discos da Legião em vinil, e, devido a um erro da fábrica, “Soldados” encerrou o lado B do trabalho de estreia da banda, ao invés de “Por enquanto”.
Acho que a Legião começou a se transformar no que foi quando, na infância, Renato Russo sofreu de uma rara doença chamada epifisiólise, que o deixou seis meses sem poder se levantar da cama. Nesse período de convalescença, Renato fundou a fictícia 42th Street Band. Não existia música, é verdade, mas Renato bolou capas de discos, nomes de músicas e até uma biografia para a sua banda imaginária. O líder do conjunto se chamava Eric Russell.
Já adolescente, Renato Russo juntou alguns amigos da Colina, conjunto de prédios habitacionais da UnB, e fundou o Aborto Elétrico, já influenciado por bandas como o PiL e o The Clash. Nada mais apropriado para rapazes de Brasília que não tinham muito que fazer.
O Aborto não chegou a gravar nenhum disco, mas compôs algumas canções que, mais tarde, seriam distribuídas nos três primeiros álbuns da Legião e no primeiro do Capital Inicial. “Geração Coca-Cola” era uma delas. O hino dos “filhos da revolução” que berravam contra o regime militar. No álbum póstumo “Uma outra estação”, Renato voltou ao tema, mas, dessa vez, de uma forma menos romântica: “Eu sou a lembrança do terror/ De uma revolução de merda/ De generais e de um exército de merda”. Os “filhos da revolução” envelheceram.
Após uma briga com o baterista Felipe Lemos, Renato decidiu ser o “trovador solitário”. Só ele e seu violão. As músicas dessa fase podem ser encontradas no CD “O trovador solitário” (2008), idealizado por Marcelo Fróes.
De saco cheio de bancar o Bob Dylan, Renato fundou a Legião Urbana. Em 1985, com a força dos colegas dos Paralamas do Sucesso que levaram a fitinha da banda para a gravadora EMI, enquanto rolava o Rock in Rio, chegou às lojas o autointitulado álbum de estreia da banda.
Abertura do 44º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, onde foi exibido o filme "Rock Brasília, era de ouro" de Wladimir Carvalho. Foto: Agência Brasil
“Só um cego ou surdo não constataria de primeira que Renato era um John Lennon, Bob Dylan, Elvis Presley, Paul McCartney, Bruce Springsteen, Brian Wilson e Joe Strummer, tudo junto, num país tão carente de equivalentes nacionais”, disse o produtor José Emilio Rondeau, no livro “Renato Russo”, de Arthur Dapieve. Estava certo. Tudo o que a Legião viria a ser já estava lá naquele primeiro disco, da sonoridade ao conceito, passando pelas letras de Renato, claro.
A gravadora pensava que “Legião Urbana” não ia dar em muita coisa. Mas se enganou. O disco vendeu muito e gerou uma boa quantidade de singles. Para o segundo álbum, óbvio, a gravadora queria algo parecido com o primeiro. Direto e roqueiro. Mas lógico que a Legião não ia entrar nessa. “Todos os discos de uma grande banda são bons”, disse Renato Russo à MTV em uma de suas últimas entrevistas.
E, certamente, ele já pensava assim em 1986, quando peitou a gravadora, e entrou no estúdio para gravar “Dois”. “A gente se acostumou com o ambiente no estúdio, como se fosse a extensão de casa. Acreditamos que era realmente possível fazer música e discos a partir desse disco”, me disse o guitarrista Dado Villa-Lobos, em 2006, quando “Dois” completou 20 anos.
De fato, a partir de “Dois”, a Legião amadureceu. O álbum, que era para ser duplo e se chamar “Mitologia e intuição”, acabou sendo simples (“Todos os discos da Legião são duplos até segunda ordem”, dizia Renato), mas, mesmo assim, bem diferente do primeiro. As músicas rápidas e de letras mais simplórias deram espaço a canções mais longas e sem refrão, como “Eduardo e Mônica” e “Indios”. Nem por isso “Dois” deixou de fazer sucesso. Pelo contrário.
Na turnê de lançamento do álbum, a Legião tocou no Canecão pela primeira vez, ainda que no horário não muito nobre das sete da noite. Mal imaginava Renato (ou, de repente, imaginava sim) que, um ano depois, a Legião Urbana estaria lotando estádios Brasil afora. O show mais emblemático, durante o lançamento de “Que país é este”, aconteceu no Mané Garrincha, em Brasília, no dia 16 de junho de 1988. Um maluco invadiu o palco e agrediu o cantor com um canudo de plástico. O caos tomou conta do lugar e por sorte ou por milagre ninguém morreu naquilo que ficou conhecido como o “Altamont brasileiro”.
Renato Russo, vocalista da banda Legião Urbana, conversa com Vladimir Carvalho, diretor do documentário Rock Brasília - Era de Ouro, que exibirá cenas gravadas pelo cineasta na década de 1980. Foto: Agência Brasil
Apresentações não muito convencionais, aliás, fizeram parte da história da Legião. Quando a banda lançou o lírico “As quatro estações” (mais um álbum em que Renato colocou as suas vísceras), houve confusão no Jockey Club do Rio de Janeiro. Animais na fila do gargarejo detonaram uma guerra de areia que quase terminou o show antes da hora. Em janeiro de 1995, dessa vez divulgando “O descobrimento do Brasil”, em Santos, Renato levou uma latada e passou os últimos 45 minutos de show cantando deitado. Foi a última vez que ele pisou em um palco. Antes disso, em outubro de 1994, a banda realizou três dos shows mais lindos da história do finado Metropolitan, no Rio de Janeiro, e que geraram o CD duplo ao vivo “Como é que se diz eu te amo”. Inusitadamente, as apresentações, registradas pela Rede Bandeirantes, nunca viraram DVD.
A verdade é que Renato não gostava de fazer shows. Não tolerava a violência dos seguranças que agrediam os fãs. Ele também costumava dizer que, durante uma apresentação ao vivo, se sentia como estivesse fazendo amor com 10, 20, 30 mil pessoas ao mesmo tempo. E, depois, caía em depressão quando ia dormir sozinho em casa ou em um quarto de hotel.
A Legião abriu a década de 90 com “V”, o seu trabalho mais pesado. “O réquiem do milênio”, como bem definiu o produtor e jornalista Ezequiel Neves. “O descobrimento do Brasil” veio em seguida e dava a (falsa) impressão, com a sua capa florida e alegre, de que seria o oposto de “V”. Ledo engano. Por dentro, mais um réquiem, inclusive o do Brasil, limpidamente esculpido em “Perfeição”.
A Legião Urbana abandonou os palcos. Mas não os estúdios. Em setembro de 1996, duas semanas antes da morte de Renato Russo, foi lançado “A tempestade ou O livro dos dias”. Antes, Renato ainda colocou nas lojas os trabalhos solo “The Stonewall celebration concert” e “Equilíbrio distante”, com músicas cantadas em inglês e em italiano, respectivamente.
Há 15 anos, jornais dedicaram cadernos especiais ao compositor da Legião Urbana. O Jornal Nacional alterou todo o seu noticiário para dar metade de seu tempo à repercussão da morte de Renato. Hoje em dia, com exceção dos velhos medalhões da MPB, qual artista brasileiro mereceria tamanha deferência?
A Legião somou pouco mais de 12 anos de carreira. E deixou um legado imenso. Dá pena ver qualquer banda hoje em dia lançando DVDs comemorativos de 10, 15, 20 anos de carreira sem ter o que dizer.
Às vezes eu me pergunto o que Renato Russo estaria fazendo hoje se vivo fosse. Segundo o próprio, a partir dos 40 anos, faria cinema. Depois dos 60, seria escritor.
A banda Legião Urbana: Marcelo Bonfá, Renato Russo e Dado Villa-Lobos
Eu tenho as minhas dúvidas.
Para mim, a Legião Urbana nunca deixaria de existir.
A Legião não era só uma banda. Era a representação de seus fãs.
Ou como Renato Russo gostava de dizer: “A verdadeira Legião Urbana são vocês.”
Matéria de: Luiz Felipe Carneiro

30 de set de 2011

Os 10 Maiores Avanços da Física em 2010

O Instituto de Física Britânico, através da sua secção Physics World, compilou a lista dos feitos mais relevantes para o progresso da física durante o ano passado.

 1 - Criação e manutenção de antimatéria

A equipe internacional do Laboratório Europeu de Física de Partículas (CERN) conseguiu produzir 38 átomos de antihidrogênio durante um décimo de segundo (tempo suficiente para analisá-los) com seu experimento ALPHA, abrindo assim a porta para a compreensão das diferenças entre a matéria e a antimatéria.

2 - Atmosfera de Exoplaneta

Um grupo de astrônomos do Canadá e da Alemanha mediram de maneira direta, pela primeira vez, a atmosfera de um planeta fora do nosso Sistema Solar.

3 - Máquina Quântica

É a primeira máquina quântica fabricada pelo homem. A máquina completa tem espessura menor do que um fio de cabelo. Poderia ser o primeiro passo para a fabricação de computadores quânticos, que seriam capazes de decifrar em alguns segundos, todas as chaves de segurança do Pentágono e da NASA.

4 - A capa da invisibilidade

George Barbastathis e sua equipe do Instituto Tecnológico de Massachusetts e da Universidade de Singapura, criaram uma capa que consegue esconder objetos de 2 mm. A equipe da Universidade de Birmingham, do Colégio Imperial e a Universidade Tecnológica da Dinamarca, a cargo de Shuang Zhang, desenhou um metamaterial que consegue tornar invisíveis objetos de 3 mm.

5 - Laser acústico

Dois grupos independentes, anunciaram os primeiros lasers acústicos de fônons, que emitem ondas acústicas coerentes de modo similar ao dos lasers convencionais, que emitem ondas de luz coerente.

6 - Superfóton

Uma equipe alemã conseguiu construir um condensado de Bose-Einstein (BEC) de fótons, um superfóton.

 7 - Tempo Relativo

James Chin-Wen Chou e sua equipe do National Institute of Standards and Technology (NIST) dos Estados Unidos, usou dois dos mais precisos relógios ópticos do mundo para demonstrar que o tempo corre mais rápido em um relógio que está localizado a apenas 33 centímetros mais acima que o outro, e que o tempo corre mais devagar em um relógio que se move a 35 quilômetros menos por hora em relação ao outro.

8 - Telepresença à maneira de Star Wars

Cientistas da Universidade do Arizona criaram um material que pode armazenar dados de imagens holográficas sucessivas que são atualizados a cada dois segundos, o que representa um passo importante em direção à telepresença.

9 - Próton Pequeno

Uma equipe internacional liderada por físicos do Instituto Max Planck de Óptica Quântica na Alemanha, afirma que esta partícula é aproximadamente 4% menor do que se acreditava.

10 - LHC recria o Big Bang

PhysicsWorld fecha sua lista dos 10 avanços mais importantes do ano com o novo acelerador de LHC, no qual os especialistas do CERN conseguiram em março de 2010 as primeiras colisões de prótons em energia de 7 teraeletronvolts, a maior já alcançada em um acelerador, recriando assim o Big Bang.

Fonte: History Channel