Páginas

28 de dez de 2010

Amnæsia

Estou perdido
E nãoposso escrever sobre felicidade
A caneta mente se o coração não sente
E já não há o que falar.

O som do papel
Cheiro de letras no ar
O gosto de figuras
A mão a sonhar

Eu já não me reconheço mais
Tudo o que faço, o que tenho feito
É tão parecido comigo
E ninguém compreendeu

Não me acusam de meus erros mais grotecos
Auto-desprezo é um feito gigantesco
e etcetera e tal.
"Que esperto!"
"Como você é inteligente!"
"Continue assim, estudioso!"
"Você é muito culto!"
"Professor!"
"Mestre!"
"Sábio!"
"Técnico!"
"Cientista!"
"Estudante!"

Um sábio não reconhece outro
Um tolo também
QUal desses nós somos?
Eu não sei

Não tenho pessimismo
Não tenho derrotismo
Não tenho conformismo
Ficaram nas outras máscaras

Descobri que minha coleção está incompleta
Minha máscara do Verdadeiro Eu está rachada
Como é possível?
Não a uso há tanto tempo
Para consertá-la preciso de alguém
Que saiba quem sou
Que veja como sou
E continuo sendo em algum lugar
E continue aqui
E me ajude a refletir e capturar o reflexo
A reflexão

Então,
Você sabe quem sou?


18/10/10
(Poema de D. Joe)

Nenhum comentário:

Postar um comentário